sexta-feira, janeiro 23, 2009

On Obama

Apesar de andar um tanto quanto fora de órbita nos últimos tempos , eu realmente não poderia deixar de comentar sobre minhas esperancas renovadas com a posse do Obama.

Minha vida inteira desacreditei da possiblidade de os EUA elegerem um negro para presidente. Foi preciso passar literalmente pelo inferno na Terra para que os americanos refletissem mais profundamente sobre sua responsabilidade sobre os rumos do planeta. Em muitos momentos a realidade foi bem pior que qualquer pesadelo. Mas parece que, agora, os ventos sopram de outra direcao.

Sei que os EUA, apesar do apocalipse Bush dos últimos oito anos, não deixarao de ser, em essencia, o que ainda são: a maior potencia do planeta, com tudo o que isso acarreta. Mas o mulato charmoso, cheiroso e ponderado, que já chegou mandando fechar Guantánamo e pedindo que Israel abra as fronteiras com Gaza, realmente me faz sonhar que o mundo pode se tornar melhor. Questao de identificacao étnica, que anda de maos dadas com a ideológica.

Que vivam a mesticagem de idéias, dos pontos de vista e a multilateralidade cultural. Só essa combinacao pode alterar a política em todo o mundo.

Só uma última coisinha: que tenhamos ido da era Osama à de Obama em um período de sete anos demonstra, e não apenas pelo trocadilho fácil, que nada acontece por mera coincidencia.

3 comentários:

gugudadaltda disse...

falta ver quantas franquias de guantanamo ele vai abrir pelo mundo!

Marcio Menezes disse...

obama é flamenguista...

9h disse...

Tomara, C. X, Tomara!